Visitas

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Levava sempre a sua vida em orgias ....


Óleo de Virginia Palomeque

Um texto amplamente conhecido, mas cujo tema gosto e penso estar bem "transcrito" ...




Levara sempre a vida nas orgias
e tinha, no seu rosto desbotado,
a feição das noturnas alegrias.

O seu corpo de jaspe cinzelado
tinha as corretas curvas palpitantes,
que o artista mais sublime tem sonhado.

Amava o ouro, as pedras faiscantes,
a branca cigarrilha perfumada
e os aromas dos vinhos espumantes.

Se ria, na sonora gargalhada
descobria-se o irônico azedume
de quem se vê nos charcos atolada.

Seu ardente olhar chispava o lume
que acendam nessas almas desvairadas
o ódio, o desespero e o ciúme.

Por uma dessas noites tresloucadas
encontraram-na morta sobre o leito,
e envolta nas madeixas desgrenhadas.

Tinha o semblante pálido e desfeito,
e a mão gelada e crispa comprimia
um crucifixo de marfim ao peito.

Nos veludos da pálpebra sombria
brilhava inda uma lágrima, a gerada
nos extremos arrancos da agonia.

Finou-se a prostituta abandonada,
e, ao sentir n'alma o último lampejo,
beijou do Cristo a fronte iluminada
e foi-se-lhe a alma presa nesse beijo.


Antônio de Macedo Papança ( C. de Monsaraz)
(1852-1913)

1 comentário:

  1. A-do-rei. Tudo se encaixa, cada imagem com cada palavra. "Corpo de jaspe","nos veludos da pálpebra sombria" ... Também perfeita a tela da Virginia Palomeque. Um beijo

    ResponderEliminar