quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Eu aprendi a não ter medo de dizer “não” e a colocar-me em primeiro lugar!




Eu aprendi a não ter medo de dizer “não” e a colocar-me em primeiro lugar!


Pois é meus amigos, já não era sem tempo e ao poucos vai acontecendo…
Estou a apostar  muito mais em mim,  a ser ainda muito mais  inteira, daquilo que já o era e sou, mas também com um objetivo que antigamente não o tinha, ou não ligava, melhor assim,  é o de dar a conhecer logo de inicio com quem lido, e não deixar ao critério de cada um, fazer o seu juízo de valor acerca do meu EU,  com o passar do tempo….. é a vida que está cada vez mais a empurrar-me para ter este comportamento, em nome da minha paz de espirito. Toda a minha essência neste momento faço questão que seja percebida logo de inicio quando conheço alguém de novo.
O deixa ver, o deixa lá, o logo se vê… os “ses” desapareceram todos. Toda aquela telorância , maleabilidade, e desculpas que me eram peculiares, relativamente a outras pessoas  já não quero mais, nem um passo em prole de me poder amachucar . Chega !! já dei muito para esse peditório e de vez enquanto sem esperar a gratidão é um voltar de costas.
Nunca na minha vida fiz ou dei algo a alguém à espera de receber alguma coisa em troca, ou talvez sim, carinho, simpatia, amabilidade, tudo muito básico, e por vezes nem isso….
A minha liberdade é meu maior tesouro e ser livre não é uma opção, mas uma necessidade. Mas, a liberdade a que me refiro, é aquela de ser quem eu sou, sem medo do que os outros  pensam de mim, é viver e fazer da maneira que mais me parecer cabível e não ter que dar explicações das minhas decisões a ninguem. A minha única justificativa é , ‘fiz porque que me fez feliz’, e isso basta. Viver o nosso livre arbítrio sem interferir ou prejudicar a vida dos outros, é o mais importante para mim!
Agora é para mim que trabalho ser mais paciente e tolerante comigo, aceitar as minhas imperfeições, manifestar, provocar e usufruir da minha própria Felicidade, sem que ela dependa de coisas alguma ou de alguém. Errar, falhar e cair graciosamente, tratar das feridas com carinho, mas sem medo das cicatrizes que elas possam deixar,  já o faço à muito tempo, mas agora de uma maneira mais focada em mim. Sem dramas, sem agressividades e sem pudores…. Menos blá, blá, blá e mais verdade nua e crua, tipo, “ acorda, estás a fazer a tua caminhada de vida, vai em frente.. “
Quem tem saudades, mande SMS, ligue, fale, se tens vontade faz e não te arrependas, porque se não der bem, é sempre uma aprendizagem.
Fala sobre o que sentes sim, porquê tanto medo, e tanta vergonha? Se não for correspondido, tudo bem, não é o fim do mundo, amanhã há mais; há mais vida, mais amores, outras chances, e  vais deixar de viver tudo isto, por causa de orgulho estúpido?
Não percas o teu tempo vivendo só por viver, afinal que grande desperdício seria isso, não achas?
Sugiro que trabalhes e apostes mais em ti, para aprenderes quem és de verdade.
E vamos ser, a cada dia que passa, mais felizes!
Na verdade, é isto, eu só aprendi a não ter medo de dizer NÃO e de me colocar em primeiro lugar !!

terça-feira, 14 de agosto de 2018

É preciso aprender a parar de insistir naquilo que não é para nós. (...)











É preciso aprender a parar de insistir naquilo que não é para nós. É preciso aprender a aceitar que desejar muito alguma coisa não garante que ela seja nossa. É preciso aprender a sair de cena quando tudo já foi dito, esclarecido, colocado em pratos limpos e não há mais lugar para nós naquela história.

Da soma de todos os afetos saiu este texto …
Coco Chanel era uma mulher muito elegante, não somente na forma de se vestir, mas também no comportamento. De origem pobre, órfã de mãe desde a infância, iniciou sua carreira com uma pequena chapelaria e posteriormente conquistou o mundo da moda com seu estilo clássico, inovador e muito sofisticado. Porém, muito além de ser um ícone da alta costura, essa mulher cheia de atitude revolucionou os costumes da época, e se tornou símbolo de coragem, resistência e liberdade feminina. Pesquisando sobre essa grande mulher,  deparei-me com uma das frases atribuídas a ela, e encantei-me profundamente, pois exprime sua personalidade independente e muito refinada:
 “A mulher tem que saber a hora exata de sair de cena. Mesmo que essa hora seja muito dolorosa”.
Sem duvida alguma, saber a hora de sair de cena é um dos conhecimentos mais importantes que se pode ter, e demonstra bom senso, amor próprio, coragem, independência, liberdade e autonomia. Nem sempre é fácil ou óbvio perceber que o nosso tempo chegou ao fim. Nem sempre conseguimos assimilar ou acreditar que aquilo que queríamos tanto, não está reservado para nós. Nem sempre conseguimos abrir mão de nossos sonhos, planos, desejos e expectativas numa boa, mesmo que nossa hora tenha passado, e, saber sair de cena, mesmo que isso cause muita dor, é algo que não nos ensinam, mas que precisamos de estar sempre atentas.
É preciso aprender a parar de insistir naquilo que não é para nós. É preciso aprender a aceitar que desejar muito alguma coisa não garante que ela seja nossa. É preciso aprender a sair de cena quando tudo já foi dito, esclarecido, colocado em pratos limpos e não há mais sítio naquela história. É preciso aprender a aceitar as frustrações, os desejos desfeitos, a necessidade de fazer as malas e partir…..
Ser elegante no comportamento é ter bom senso. Bom senso na hora de falar, de calar, de nos expressar com extroversão ou discrição. Mas, principalmente, bom senso na hora de perceber onde estamos e se já estamos sobrando; ter  bom senso de sairmos à francesa de lugares onde não cabemos mais.
Sair de cena quando tudo o que  queríamos  é que a história não tivesse fim é uma das decisões mais difíceis e dolorosas que existem. Mesmo assim, mais vale a dor advinda de um distanciamento sadio que a falsa e humilhada alegria de permanecer num lugar onde  já  não somos bem-vindos.
Temos que entender que merecemos um amor recíproco, inteiro, companheiro, verdadeiro, e quem se submete a amores menores e unilaterais acredita que é merecedor de pouca coisa, que são afetos rasos e parciais. Por isso é tão importante discernir onde se deve ou não permanecer. Por isso é essencial descobrir a hora de fazer as malas e deixar de prorrogar a nossa presença onde não somos mais considerados convidados especiais.
Quem nos quer, trata-nos  como convidada especial. Quem nos deseja, acolhe-nos com alegria e satisfação. Quem nos admira, tem brilho nos olhos quando nos vê chegar. Pequenos gestos nos dão pistas de onde devemos ou não permanecer. Pequenas atitudes nos ajudam a discernir se é chegada a hora de partir. Pois como diz a letra da música “You’ve got to learn”, de Nina Simone, “Você tem de aprender a sair da mesa quando o amor já não está sendo servido…” 
(…)
Uma verdade nua e crua, que custa, acredito que sim mas, é isto mesmo…. E agora pergunto; haverão muitas pessoas que têm maneira de fazer esta situação acontecer? Será que conseguem? Estas palavras que aqui estão escritas servem para todos os relacionamentos, tanto de amizades como cônjuges, para todos os lugares onde estejamos, homens e mulheres. Penso que esta realidade nem sempre cumprida ou não apercebida na devida altura por algumas pessoas, é muito importante , como diz o ditado “ vale mais ser desejada do que aborrecida”.
Por conseguinte, devemos de estar sempre atentos ao mais pequeno pormenor naquilo que nos rodeia, quem nos rodeia e, onde estamos inseridos e, ter o discernimento de percebermos quando estamos a mais em qualquer dos lugares. Penso eu não ser difícil, talvez esta minha opinião tenha a ver com a faixa etária, sentido de observação, o tal 6º sentido que tanto falam, perspicácia, não sei deve ser tudo junto, será?  Seja o que for sugiro que tenham em conta tudo o que leram. Já não digo a minha opinião que vale o que vale , mas de quem escreveu o artigo.
Este é um assunto que tem pano para mangas …




quinta-feira, 19 de julho de 2018

Caráter não nasce com ninguém, cria-se




A minha crónica do Jornal.

Jornal das Caldas da Rainha-


Caráter não nasce com ninguém, cria-se

Aprendi que na vida que tudo que acontece tem uma razão, seja para sofrer ou para ser feliz, as pessoas aparecem em nossas vidas e mudam tudo aquilo que nós pensávamos, que era para cada dia um passo, para cada momento uma lição.
16-07-2018 | Maria Dulce Horta
Maria Dulce Horta
Maria Dulce Horta

Errar ou acertar será que isso realmente existe? Já se perguntou quantas vezes errou achando que estava agindo certo? Já parou para pensar que o que pensa que é certo para si pode ser um erro para o outro? Quantas pessoas conhece que são incapazes de ver a sua dedicação a elas? Quantas pessoas perdem tudo aquilo que podem ter por não darem valor ao que têm? Cuidado com suas atitudes pois um dia elas podem ser a razão para muitas perdas….
Caráter não nasce com ninguém, cria-se, trabalha-se com os valores e vai crescendo com o nosso avançar da idade...não use as pessoas que a amam, não faça aquilo que não gostaria de ter para si...vivemos num mundinho medíocre onde as pessoas são baixas, fracas de espírito e fazem tudo muitas vezes para não nos verem felizes, são essas pessoas sem luz que vivem sofrendo, mostram a felicidade mas gritam por um valor que nunca terão.
Cuidado para não viver em nenhuma ilusão ou perder aquilo que é verdadeiro, mas só saberá o seu valor se mostrar quem realmente é...quem não tem caráter sofre sozinho, quem engana ou outros perde o valor.
Sejamos verdadeiros, sejamos sinceros, cuidemos do que a vida nos deu, as nossas vidas...
Valorizar não é capacidade de todos, ser valorizado não é merecimento para qualquer um!

Tags:

domingo, 15 de julho de 2018




E a paciência é …..
Não existe nada melhor do que se conseguir acalmar o coração e ter paciência de esperar tudo acontecer no tempo certo. Confesso tenho dificuldade! Também me dizem que não existe nada melhor e mais difícil, acredito….A ansiedade de saber, de fazer, de viver logo tudo de uma vez, se torna tão forte, que chegamos muitas vezes a sofrer pelo que talvez nem exista, ainda.
 Aquela resposta tão aguardada, o momento há tempos esperado... O coração aguarda ansiosamente, pois deposita as suas esperanças em acontecimentos, em pessoas, em sentimentos e, algumas vezes é impossível controlar. É uma vontade intensa, imensa, de se encontrar, de fazer acontecer, de se entregar, de ser, de fato, feliz.
Amplamente, feliz. Será que me compreendem?

_____________________
Costumamos dizer que …
estamos sentindo a falta disto ou daquilo, mas já parou para pensar que só sentimos falta daquilo que já esteve presente nas nossas vidas.
Exatamente, é difícil explicar, mas fácil contextualizar... Sentimos vontade de ter novamente aquilo que já nos proporcionou algum sentimento bom ou um momento de prazer. Não costumamos nem notar a ausência daquilo que nunca fez parte de nosso dia a dia.
Sentimos desejo de algumas coisas, isso é verdade, mas não falta. O almejar alguma de maneira é bem diferente do sentir necessidade. Falo isso não relacionando apenas a coisas físicas ou materiais, falo isso também com relação a sentimentos e pessoas.Não sentimos falta de um grande amor se nunca tivemos um, desejamos um grande amor, a sensação e o sentimento são diferentes.Vivencio a ausência de alguém que desde que nasci e hoje tenho convicção de que não sinto falta desta presença nos meus dias. Se eu falar que não gostaria de ter essa pessoa, é mentira, mas falar que sinto falta também é muito forte de o dizer.
Como posso sentir falta de um afeto que nunca existiu, de um carinho que nunca foi demostrado, de um respeito que nunca foi necessário... impossível!
E querem saber o que acho? acredito que é muito mais fácil lidar com a ausência total do que com o abandono parcial. Se não tivemos a oportunidade de desenvolver sentimentos, prazer e dedicação a algo, isso não vai fazer a menor falta e a vida poderá seguir sem aquilo (ou aquele) da melhor e mais natural maneira possível.
Aliado a tudo isto penso que se não quer fazer falta simplesmente nem comece. É melhor ser ausente do princípio ao fim do que fazer alguém sofrer por uma presença “inexistente”. Pensem nisto!


quinta-feira, 12 de julho de 2018






“Nada que começe com um “vamos dar um tempo” pode dar certo !!!
Esta história de “dar um tempo” no relacionamento não existe. Na verdade, os adeptos da situação, são pessoas convenientes que preferem deixar o parceiro/a à espera da sua decisão, enquanto aproveitam o melhor da vida….. “

Lendo estas duas frases vão ao encontro daquilo que sempre digo já à longos anos, porque assim a vida me o ensinou.
O termo técnico, “stand by” significa deixar um aparelho com pouca energia, mas não desligá-lo totalmente. Isso permite que, a qualquer momento, se se possa ligá-lo rapidamente, sem precisar de esperar pelo carregamento dos servidores de energia. Top ! mas quando trazemos este termo do “stand by” para os relacionamentos  deixa de ser Top, para se muito mau.
Eu quando oiço alguém dizer esta frase “ vamos dar um tempo “ relativamente a qualquer relacionalmente fico logo arrepiada, porque sei, e tenho conhecimento próprio, que essa conversa de “dar um tempo” é a maior palhaçada que existe, é uma falta de coragem para pôr um ponto final no que  ficou para trás, e que foi bom enquanto durou…. Mas como se querem eludir ou eludir o outro então, que assim seja.
Sejamos realistas: essa história de “dar um tempo” no relacionamento não existe, e quase que jurava que todos os que dizem isso pensam naquilo que acabei de referir. Mas, os adeptos da situação, são pessoas convenientes que preferem deixar o parceiro/a à espera da sua decisão, enquanto aproveitam o melhor da vida …. o pior é que, a sociedade, parece encarar como normal essa atitude e denomina o famoso “tempo”, como um “suspiro de vida” para um relacionamento”. E muitas vezes acaba por ser infelizmente.
Não me levem a mal, mas na vida, há verdades que precisam de ser ditas e “toda a vez que alguém quiser deixar o relacionamento em “stand by,”  está na hora de seguir a sua vida sozinho/a” é esta a minha certeza. Não percam mais tempo, porque todos temos o direito a sermos felizes.
O “vamos dar um tempo” está modernizado. Disfarçado de “não sei o que estou sentindo” ou “preciso colocar na balança o que sinto”, acorrenta vítimas e deixa presas pessoas maravilhosas que deveriam estarem livres para amar.
Pela razão “tempo” é a única coisa que não deveria ser pedido, nem deveria ser dado, até porque, não o temos. Ninguém sabe o dia de amanhã. A vida acontece hoje e agora! Mas, alguns audaciosos   trabalham com o tempo como se fossem donos dele.
Parem por favor de carregarem culpas que não são vossas. O fato do relacionamento não dar certo, nem sempre existem motivos palpáveis, não deu, não deu, ponto final. O problema até pode não ser de ninguém, e vão aceitar  migalhas ? Custa, doi, amachuca, existe muita coisa implícita eu sei, mas para que serve  o “dar um tempo” será que tudo voltará a ser como dantes? na minha opinião, não, porque haverá sempre um esforço de uma das partes de mostrar aquilo que não é….. é só acabar o tal de tempo e tudo volta como era; e o tal de tempo foi-se perdendo e ele já é tão puco !!!! Está na altura de entenderem que há coisas que valem a pena e outras não… perder a própria paz esperando o outro decidir o rumo do relacionamento é, no mínimo, loucura. Jamais isso deve acontecer, já lá vai o tempo do “engana-me que eu gosto”.
E, mais uma vez digo é pura “fantochada” isto de “dar um tempo” , o tempo não é para se perder, mas sim para se aproveitar em prole de uma boa e estável relação, quando aparece essa dita  frase  ….. ACABOU !!! é duro de dizer e de ouvir mas é a verdade. O tempo é ouro e perder um minuto do nosso tempo em nome do nada, não vão nessa conversa. E mesmo dando esse tempo, é viver uma farsa no tempo… estarei a ser muito bárbara, muito firme, sim sei que estou, mas só quero que não percam “tempo”………
Amar é transbordar. É querer estar perto, “ é olhar na mesma direção”, como dizia Antoine de Saint-Exupéry.