Visitas

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Quem merece fazer parte da minha vida?



Quem merece fazer parte da minha vida?

Nestes últimos dias, resolvi fazer uma reflexão bastante profunda à cerca do ano que está quase a findar. Ano este, que me trouxe algumas mudanças na minha vida. Tudo isto acontece na sequência do um  “ bate boca” pouco agradável que aconteceu comigo há uns dias e com um familiar por causa do Natal. Porque quase tudo nesta época  são hipocrisias, começo com o exemplo das prendas, o não gostar de uma pessoa, mas como é Natal, parece mal não dar uma lembrança; o ter que juntar pessoas que não se liga nenhuma durante 364 dias do ano que nem se dão mal nem bem simplesmente não se dão, mas é Natal e parece mal não se juntarem, como não  existe nada em comum, não há conversa, fala-se do tempo e da falta de dinheiro conversas de ciscunstância, etc, e é quando não há aborrecimentos mesmo nesse dia   ….. as mensagem, em série feitas que se carrega no botão e envia-se para todos aqueles que fazem parte da agenda, que durante o ano nunca carregaram no botão para dizer olá estás boa ou bom? Os fretes que se fazem durante esta altura , os aborrecimentos familiares que se geram um gastar de dinheiro em futilidades, que se arrumam a um canto e nunca mais ninguém se lembra, todas estas  obrigações sem serem obrigações, mas acabam sendo obrigações, porque parece mal. É isto o Natal, não para todos, como é lógico, mas quase que jurava que para 50% da população é.
Não existe decreto nenhum que obrigue a nada disto, e porque é que fazem? Resposta, porque é tradição…. Tudo bem continuem!  Relembro uma conversa que ouvi à cerca deste assunto nos correios aqui das Caldas há mais ou menos duas semanas ( é feio ouvir conversas alheias eu sei ) mas estávamos sentadas à espera que chegasse a nossa vez ( eu tínhamos 16 pessoas à minha frente, mas tinha de ser!!!! ) de umas Senhoras que comentavam; blá, blá, blá,  este ano vou passar a noite de natal em casa dos pais do meu genro, blá, blá, odeio os pais dele e as irmãs, mas tem de ser , blá, blá. Esta conversa bateu-me cá de uma maneira que só me apeteceu meter-me também nela, mas claro que não o fiz, por razões de educação. E quantas mais existem, que não gostam dos genros das noras das famílias etc, etc Pergunto mais uma vez, mas tem de ser o porquê? Eu cheguei a uma altura da minha vida, que já não faço fretes, nem jeitos, quando os filhos eram pequenos e eu não pensava, como se costuma dizer “são novos não pensam “ também embarquei nisto tudo. Agora para esse peditório já dei….. mas será que eu não tenho razão de dizer que  detesto esta época, que só traz,  chatices, tristeza para muitos, mentiras, gastar dinheiro,  obrigações só para agradar a uma Sociedade que só nos liga nesta altura pelo consumismo de resto è 0. É ou não é a época do faz de conta? Isto então das prendinhas, porque é natal e não gostando da pessoa, põe-me doida. Quando falo nisto lembra-mo sempre de uma colega que eu tinha, que durante o ano não nos dava-mos, um bom dia e um olá tudo bem? Chegava o Natal lá vinha ela dar-me  uma lembrança, bem eu ficava possessa, e claro , a minha pergunta era sempre, mas a que propósito esta criatura faz isto? Portanto esta minha indignação por muita coisas já vem de  longe.
Claro  que não vou mudar nem  quero mudar o Mundo nem a Sociedade, mas o “meu Mundo” essa garanto que já mudei e mudo cada vez mais.
E a partir da dita reflexão comecei a pensar, mas afinal quem realmente são as pessoas que merecem a minha atenção, o meu carinho, a  cumplicidade, e a minha amizade?

Chega uma hora que é inevitável o processo de limpeza do "território". Existem muitas pessoas pairando nas nossas vidas e que nem elas e nem nós sabem ao certo o motivo pelo qual estão interligadas.... E pensando bem se eu não sei, se calhar será melhor procurar saber! Se for o caso, e se me apetecer reactivar essa relação da forma mais saudável,  se houver feed-back , mas não sei bem se me apetece. Estou a referir-me à parte familiar mais chegada…

Mas felizmente tenho aquelas pessoas que considero meus amigos. São aqueles que sabemos que podemos contar em qualquer situação e que nos vai dar um  colinho quando for conveniente ou necessário. Sei que essas “pessoas” ainda estão vivas no meu coração, mas será que apenas o lembrar supre a necessidade da presença? É para se pensar tambem... É que por  vezes por motivos alheios, nos afastamos inconscientemente daqueles que admiramos...

Outro grupo, o grupo daqueles que foram presentes até demais na nossa vida e passaram por algum motivo... Neste caso, também será melhor pensar se existe alguém que vale a pena resgatar.. Se valer a pena irei em busca deles/as. Se nada puder ser salvo, vou guardar essas pessoas como algo bom que fez parte da minha vida, sendo mais tolerante.

O importante para todos inclusive para mim e bem luto por isso é não desanimar caso cheguemos a uma conclusão que as minhas ou as nossas sãos relações são vazias... felizmente não é o meu caso… se for e eu me aperceber que me apercebo concerteza, vai andar rapidamente ….
Quando nós  menos esperarmos, aparecem novas pessoas, outras e outras energias passarão a fazer parte de nós. Contudo, é evidente que isto só acontece se nós estivermos abertos e dispostos  a vivenciar essas novas experiências e nos desprendermos do passado, que muitas vezes, nos assombra. Coisa que para mim é completamente impossível. O desprender do passado é uma coisa muito complexa, porque só se a pessoa tiver um ataque de amnésia. Mas deixá-lo arrumado dentro de uma gaveta bem arrumadinho, e nunca lá ir “escravatar”, isso sim. Porque o passado fez-nos crescer, amadurece, tirar as ilações, tanto para bem , como para mal, faz-nos  não cair nos mesmos erros e por aí fora … é com ele que aprendemos e que nós (eu ) sou como sou possivelmente.
Mas há alturas que nos aparece alguém que nos tira do sério, abre-se a dita gaveta e espalha-se tudo e despejam -se coisas cá para fora, e toca a disparar em todos os sentidos e direcções injustamente, então aí, a coisa muda de figura, tocam-se nas emoções, os sentimentos ficam feridos, voltam palavras e tomam-se atitudes injustas e coisa torna-se muito feia, mas mesmo muito feia. E para muita gente fazer lutos destas situações é muito complicado, seja com quem for. 0 de hipóteses, jamais perdo-o uma injustiça seja a quem for.

Agora, depois de tanta conversa, coisa que para mim é muito difícil, não fosse eu de Relações Publicas, quero deixar aqui bem explicito que:
Os meus desejos de MUITAS, MUITAS BOAS-FESTAS, e principalmente o desejo que  o próximo ano seja um ano que ilumine as nossas mentes, que tenhamos saúde para continuar a nossa caminhada de vida. Que seja um ano com poucos obstáculos, próspero em coisas mais ou menos boas, vamos tê-los , mas que os consigamos ultrapassar e partir para outra….. Viva a Vida Sempre!!!!!! só vão para aqueles que me trataram bem durante todo ano……
Começando pelo Senhor cego que levei há duas semanas, desde o meio da descida para a Rainha até ao café Rosa ( que alem da cegueira, tinha tido um AVC e uma paralisia facial, teve tudo a tinha direito) aos que se lembraram que eu existia, e estiveram comigo nos bons e maus momentos, os que através de SMS, telefone mail ou seja lá o que for se preocuparam e deram-me um olá, quem me deu”almoço” quem abriu o  coração para mim de uma maneira linda, quem me deu durante o ano algum valor, para quem acreditou em mim sem me conhecer, para os que perceberam quem eu sou e como eu sou, para aqueles que viram que quando faço ou “dou” alguma coisa não quero nada em troca, faço porque gosto e para aqueles do peito que desde 2004 ano em que aterrei nesta zona, me acompanharam e acompanham sempre ( não são muitos, mas são melhor que “ muitos”) à minha querida e adorada “juventude” dos trintas e quarenta” , a todos eles agradeço do fundo do coração, gostarem de estar comigo. São todas estas pessoas que sabem quem são, a razão da minha existência nesta sociedade e das minhas lutas e causas. Acabo com o exemplo do João que me mostra o seu amor e gratidão incondicional diariamente, que tantas e tantas e tantas vezes  me comove ao olhar para ele. É por mim e por eles que merecem que eu esteja sempre aqui ao vosso lado quando for necessário. Contem sempre comigo. E muito obrigado por existirem. Porque eu gosto muito de todos….. Não é bem  o “fazer  bem e não olhar a quem” não é bem isso. Porque eu tenho um contencioso com a  palavra “Perdão” .
Para os não incluídos neste grupo, que são os transparentes, não desejo nada, aliás desejo distância e se não estiveram até aqui, devido que sejam precisos, mas como nunca podemos dizer nunca, sejam felizes …..


Sem comentários:

Enviar um comentário