Visitas

sexta-feira, 25 de maio de 2012


Costumamos fazer esforços porque nos vale a pena a recompensa que acarretam. Puxamos barcos e comboios, viajamos diariamente até ao infinito, andamos sempre numa correria atrás do tempo, enfim, empurramos as barreiras impostas pelos nossos próprios limites e percebemos que estas algumas vezes até cedem se tivermos força suficiente.

Agora uma pergunta! Mas qual é o limite dos nossos próprios limites? Onde é que está a linha que não podemos passar? Será que só nos apercebemos que o esforço foi demasiado quando o corpo ou a mente dão um grito? Seremos assim tão injustos connosco mesmos que não entendemos que, às vezes, o esforço que parece meritório não é mais do que outro peso para arrastar ao longo dos dias?




Sem comentários:

Enviar um comentário