Visitas

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Saber dizer NÃO ....




Hoje da parte da tarde estive à conversa com uma psicóloga minha amiga,que se dedica ao estudo do comportamento humano, e quando estamos juntas o tempo voa, mas, a meio da conversa veio, qualquer coisa, como "alma" onde eu disse que não não sei da minha "alma" que ando à procura dela há muito tempo!!! e ela começa a rir claro está, e olha fixamente para mim e diz-me: o seu grande problema é que não sabe, nem nunca soube, dizer a palavra NÃO e isso tem destabilizado toda a sua vida!!! é verdade, este é e tem sido, realmente o meu "calcanhar de aquiles" mas como ela diz vou sempre a tempo de mudar,então a partir de hoje vou interiorizar a palavra NAO,NAO,NAO e vou passar a ser como a Ãngela...juro que vou!!! vim para casa a pensar escrever qualquer coisa sobre isto, mas quando estava nas minhas pesquisas encontrei "isto" que mais parecia uma encomenda, gostei, resolvi transcrever e acabei por não pensar muito ...

Aprendendo a dizer NÃO ...

Quando Ângela tinha apenas dois ou três anos, seus pais ensinaram-na a nunca dizer NÃO. Ela devia concordar com tudo o que eles dissessem, pois, do contrário, levava uma palmada e cama.
Assim, Ângela tornou-se numa criança dócil, obediente. e nunca se zangava. Repartia as suas coisas com os outros, era uma menina muito responsável, e nunca brigava com ninguém, obedecia a todas as regras, e para ela os pais estavam sempre certos.
A maioria dos professores valorizava muito essas qualidades, porém os mais sensíveis interrogavam-se como é que Ângela se sentia por dentro? Sendo assim tão certinha?.
Ângela cresceu cercada de amigos que gostavam muito dela por causa de sua meiguice e por ser sempre tão prestável para toda a gente: mesmo que tivesse algum problema, ela nunca se recusava a ajudar os outros.
Aos trinta e tal anos anos, Ângela casou com um advogado e vivia com sua família numa casa linda e confortável. Tinha dois lindos filhos e, quando alguém lhe perguntava como se sentia, ela respondia sempre da mesma maneira: "Está tudo bem, obrigada…."
Mas, numa noite de inverno, perto do Natal, Ângela não conseguiu pegar no sono, com a cabeça tomada por terríveis pensamentos, e de repente, sem saber o motivo, ela se surpreendeu desejando com tal intensidade que sua vida acabasse, ou então que mudasse de vez ….
Então ela ouviu, vinda do fundo do seu coração, uma voz serena que, baixinho, disse apenas uma palavra: NÃO.

Naquele momento, Ângela soube exactamente o que devia fazer. E eis o que ela passou a dizer àqueles a quem mais amava:
Não, não quero, não gosto, não tenho.
Não, não concordo.
Não, faz tu.
Não, isso não serve pra mim.
Não, eu quero outra coisa.
Não, isso doeu muito.
Não, estou cansada.
Não, estou ocupada, agora não posso.
Não, prefiro outra coisa.
A sua família sofreu um impacto, os seus amigos reagiram com surpresa, a Ângela era outra pessoa, notava-se isso nos seus olhos, na sua postura, na forma serena mas afirmativa com que passou a expressar o seu desejo.

Levou tempo para que Ângela incorporasse o direito de dizer NÃO à sua vida. Mas a mudança que se operou nela contagiou sua família e seus amigos. O marido, a princípio chocado, foi descobrindo na sua mulher uma pessoa interessante, original, e não uma mera extensão dele mesmo. Os filhos passaram a aprender com a mãe o direito do próprio desejo. E os amigos que de facto amavam Angela, embora muitas vezes desconcertados, se alegraram com a transformação.
À medida que Ângela se foi tornando mais capaz de dizer NÃO, as mudanças se ampliaram. Agora ela tem muito mais consciência de si mesma, dos seus sentimentos, talentos, necessidades e objectivos.
Muitas vezes ela fala com seus filhos: "Cada pessoa é diferente das outras e é bom a gente descobrir como cada um é. O importante é dizer o que você quer e ouvir o desejo do outro, dizer a sua opinião e ouvir o que o outro acha. Só assim podemos aprender e crescer. Só assim podemos ser felizes."

Barbara K. Bassett
Do livro: Histórias para aquecer o coração 2.
Jack Canfield e Mark Victor Hansen
Editora Sextante

Comentários da Psicóloga Daniela Cracel
Muitas vezes as crianças aprendem que dizer sim para os adultos é sinonimo de respeito a eles e de amor. E os pais com dificuldades, pois não existe manual de pais, não conseguem vislumbrar o que podem gerar nesses pequenos tão “obedientes”. Aqui não estou dizendo que eles precisam ser mal educados, porém expressar suas vontades. Essencial para um crescimento saudável.
E essa "obediência" pode perdurar anos em suas vidas, podendo gerar à pessoa adulta sérios problemas de saúde, entre elas Depressão.
Pessoas que se perderam na mistura de quem sou eu, o que eu quero, e o que não quero, muitas vezes são pessoas que sofrem muito e engolem muitos "sapos".
Como na metáfora acima, gosto sempre de salientar nos meus atendimentos a importância de respeitar o que se quer, o que sim pode fazer, o que não pode fazer e... Pois, assim você reaprende a dizer sim para Você, e não ao contrário... Pois, anteriormente o que acontecia era um dizer sim para todos, menos para você próprio. Dizer sim para você é escutar as suas vontades, seus desejos.
Reaprender a sentir que você é importante para você é o primeiro lugar para a reconstrução de uma auto-estima funcional, dizer sim para você é um disparador para a sua felicidade!
É necessário perceber o que se pode e quer fazer. O que muitas vezes, pode ajudar consequentemente as pessoas que convivem com você! acredite se quiser!
Muitas vezes, quando é conversado sobre esta questão no consultório as pessoas perguntam “Nossa, isso não é egoísmo?”
Engraçado como muitas pessoas, tem a facilidade de se sentir mal diante de um Sim para si, e não tem ao contrário. Pergunto: ‘’ E o que é isso?; Para que serve dizer não para você e sim para o outro?; Você realmente quer dizer sim?; será que não é importante valorizar os seus sentimentos?
É de extrema importância você saber dizer sim e não, e relembrar que ser assertivo ajuda muito a você não engolir os “grandes sapos”..
Convido-te a repensar alguns minutos... pense na sua vida. O que você anda dizendo a si próprio? É isso que você quer? E você pode realmente fazer isso tudo? Tem certeza que não está dizendo não para você? O que será que está por detrás desse não para você?
Pense, Reflicta, e veja se não é hora de colocar um Sim, mas um sim a Você!

Daniela Cracel – Especialista em psicologia clínica e sáude mental ….

Sem comentários:

Enviar um comentário