Visitas

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Uma das várias formas de viver ....

Picasso "época negra"

Ontem li 2 pequenos artigos que falavam de prostituição.. Falavam também de prostituição jovem nomeadamente estudantil e e proxetatismo, e lembrei-me que tinha conhecido dois casos destes às uns tempos. Resolvi então agarrar neste assunto e dizer algumas palavras acerca do mesmo.
Por norma, na minha faxa etária, pensamos quase sempre que quem anda na prostituição é quem precisa, ou pelo menos quem no inicio o fez por extrema necessidade ou obrigada. Naquelas que trabalham pensando "quanto mais depressa despachar o cliente melhor".
Este conceito, hoje em dia está ultrapassado, principalmente na prostituição dita "fina" ou "luxo".
Quando me refiro ao "fina" já nem sequer estou a falar de 2 sítios que existiam que era o Hipopótamo e o Elefante Branco (eu sei que estou muito desactualizada, mas para este efeito não interessam os sítios ), estou a falar de muito mais alto gabarito e estudantes.
Existe na camada estudantil um enorme número de prostituição, principalmente nos/as que saem de casa para ir ou vir para as Universidades.
Muitas/os jovens vêem com o dinheiro contactado, e quando querem aumentar o seu peculio, muitas das vezes arranjam empregos ditos normais, mas o horário não é compatível com os estudos, e então preferem entrar por este caminho, porque existe sempre uma amiga ou conhecida para lhes explicar todo este processo que é muito aliciante.
Este não é um conceito de necessidade, vão para esta vida, porque precisam de comer, não, é muito mais complexo. É o de querer melhorar o seu conforto a todos os níveis e tirar a máxima rentabilidade.
Ganham somas astronómicas que não têm que dividir com ninguém. Não têm o tal proxeneta.
E, pensam que saem quando já não precisarem, esquecendo-se que nunca mais ganharão o que um cidadão comum ganha nesta vida. Muitas deixam de estudar.
O que mais rende é ser-se uma boa acompanhante (escort). Não implica ser-se prostituta, mas na maior parte dos casos inclui, no serviço prestado, os ditos favores sexuais.
São escolhidas por homens que pertencem a classes sociais de algum estatuto, para prestarem os tais " favores sexuais descomprometidos" , para eles, é o romper de relações rotineiras, e simular a conquista sexual.
Cobram por noite por volta de 2 mil euros e por um fim de semana em Londres em hotel de 5 estrelas, pode ir até 120 mil euros.
O que acabei de mencionar é de meu conhecimento pessoal. Foram 2 jovens que conheci através de uma pessoas amiga ambas estudantes, uma já pensando em desistir de estudar e a outra continuando, estavam com este modo de vida à 2 anos e 1 já tinha ida aos Emirados 3 vezes, 2 vezes à Austrália, e por aí andavam, e normalmente os fins de semana eram passadas sempre em vários sítios da Europa.
Para ilustrar o que acabei de escrever, uma das formas como uma das jovens, estudante portuguesa a viver aqui em Portugal começou, foi desta maneira, procurei e encontrei na net este anuncio que achei mais ou menos parecido com o que me foi contado e deixo tal e qual como esta escrito..
"English,Spanish,Portuguese about me:
I am a student abslutely discreet and I love sex ...
Discrition and trust are of prime importance. Best time to reach me: 24h/day (every days by sms.only out call. I dont do anal sex. Everything is with condon: just safe sex only). I wish you a happy stay in Portugal Lisbon."

1 comentário:

  1. A nós parece-nos estranho que haja quem seja capaz de se prostituir a troco de viagens, de fins de semana em bons hoteis ou de uns dinheiros a mais para comprar roupas mas a verdade é que há. A que é que sabem esses fins de semana e essas viagens é que não sabemos, certamente não sabem ao mesmo que a mim me souberam os passeios que dei com o meu marido
    mas é possível que haja quem consiga achar beleza num por do sol ao colo de um velhote balofo carregadinho de notas.
    Há gostos para tudo.

    ResponderEliminar